O novo Marketing

0
463

Para o cliente, o principal indicador do compromisso da empresa para com ele é a qualidade do atendimento e, sobretudo, a solução às suas necessidades

Na Era Industrial, o profissional de Marketing se assemelhava a um caçador. Tinha o cliente como objetivo, buscando a potencializar o valor das transações através de ofertas padronizadas. Já na Era da Informação, ele passou a ser como um jardineiro, enxergando o cliente como um relacionamento a ser cultivado, preocupando-se com o valor vitalício do mesmo, fazendo ofertas configuradas individualmente. Mais tarde, na primeira década dos anos 2000, chegou-se ao Web Marketing, com o uso da internet para se comunicar com os consumidores, coletar dados sobre o seu comportamento, segmentar o mercado, e entrar em contato com os potenciais clientes. E, agora, em que pé andam as mudanças?

Hoje, vivemos a Era das Redes Sociais, em que tudo está interconectado, e os “sistemas inteligentes” direcionam as mensagens que lhe são de interesse através de seus históricos de compra, comportamento, atitude, relacionamento, pensamentos e até posicionamentos sócio-políticos.

“A Geração dos Millennials surge com um leque de transformações, principalmente, quando se trata de estilo de vida, ideais e consumo. Os jovens nascidos entre 1980 e 2000 cresceram envoltos às mudanças constantes da tecnologia, desaguando na maior delas, a internet. Seu crescimento é atrelado ao desse fenômeno, um desenvolvimento mútuo que confunde muitos ainda quando se trata de conceitos e formatos de comportamento”, escreve a jornalista Amanda Victória Bünecker, em seu blog no site da Agência Big Dream. “Tratam-se de pessoas abertas às mudanças, com visão de conquista, empreendedorismo, melhoras e celebração da diferença. O padrão já não agrada a todos, é preciso constantemente se reinventar para agradá-los”.

Segundo a profissional, “esta nova geração tem ânsia por um comportamento de compartilhamento. Share não é uma das palavras mais utilizadas somente pelo conceito das redes sociais, mas também por essa necessidade de compartilhar, seja conhecimento, vivências, experiências. Os Millennials querem coproduzir, pois sabem que juntos o resultado pode ser bem melhor e mais completo do que se feito de forma individual. E voltando ao termo experiência. Essa é a chave de tudo. É o que eles buscam, mesmo não sabendo. O que mais importa no momento de consumir é a experiência que a marca vai lhes oferecer. Seja on-line ou off-line. É preciso primar por um bom atendimento, uma relação de proximidade e transparência com o cliente, além de ofertar algo único e personalizado, que se diferencie, mesmo que de forma simples, dos padrões já estipulados”.

Marcelo Pardini
Os Millennials querem coproduzir, pois sabem que o resultado pode ser bem melhor do que se feito de forma individual
Os Millennials querem coproduzir, pois sabem que o resultado pode ser bem melhor do que se feito de forma individual

Branding – criar conhecimento, consciência e posicionamento da marca para o mercado.
Promoção – gerar uma ação (pedido para mais informações, cadastro ou compra) em função da exposição do consumidor a uma ação de Comunicação (uma “Propaganda”).

Persuasão

  • Modificar atitudes = componente afetivo + cognitivo + conativo (tendência / ação).
  • Influenciar crenças do consumidor sobre a marca.
  • Influenciar avaliações sobre a marca / concorrentes.
  • Acrescentar novos fatores na maneira como os consumidores julgam as marcas.

Motivação

  • Prestar atenção = originalidade, Hedonismo, intensidade (música, celebridades).
  • Processar informação de marca = perguntas retóricas, medo (muito importante em B2B; reprovação social ou ameaça física), drama, humor (mais indicado para marcas que já possuem imagem favorável), suspense.

Um novo jogo

  • Mercado mais aberto e competitivo.
  • Estabilidade de preços (facilitar comparações).
  • Consumidor melhor informado.
  • Pressão por lucratividade.
  • Migração da verba de Comunicação para promoções no ponto de venda.
  • Convergência das mídias.

Personalização

  • O uso das Tecnologias de Informação permite desenvolver produtos personalizados.
  • O indivíduo moderno busca se diferenciar da massa e está disposto a pagar um “extra” para isso, recompensando com a sua lealdade as marcas que permitem tal afirmação.

Foco – relacionamento

  • Alto contato é tão importante quanto alta tecnologia.
  • A internet não é sobre tecnologia, é sobre relações.
  • Economia do Relacionamento: a informação é abundante, o recurso escasso é a atenção do consumidor.
  • O objetivo não é apenas desenhar melhores produtos e serviços, mas atender as necessidades dos consumidores.
  • Na era do e-commerce é preciso acompanhar o que os clientes fazem e querem.
  • Do ponto de vista do cliente, o principal indicador do compromisso da empresa para com ele é a qualidade do atendimento e, sobretudo, a forma e a rapidez com que as suas necessidades são atendidas.

Fonte:
A Bíblia do Marketing, Kotler, Philip; Keller, Kevin Lane (Ed. Pearson Education Brasil, 2007).

Jornalista e leiloeiro rural. Especializado em Agronegócio, com pós-graduação em Marketing e Comunicação Publicitária.
Compartilhar

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA